terça-feira, 18 de novembro de 2014

A DIFÍCIL ARTE DE SER AMIGO

INFELIZMENTE as relações pessoais hoje são feitas a base de troca: se temos algo a oferecer, mesmo que seja apenas material, a possibilidade de conseguir amizades se ampliam. Acho isso razoável. O que me incomoda é que a maioria das pessoas agem como sanguessugas: apenas exigem do outro e se aproveitam de uma situação inicial, como o início de um relacionamento, apenas para usurparem algumas vantagens, mas quando chega a sua parte de retribuição, fogem. Vivemos numa sociedade de relacionamentos fúteis, volúveis como o vento. Falta aquela amizade verdadeira de outrora, sincera e franca e muitas vezes sem nenhum interesse. A brevidade de nosso tempo, as exigências para que tenhamos sucesso nos tornam muitas vezes pessoas insensíveis, que não escutamos os apelos dos outros excessivamente preocupados conosco mesmos. Sinto todos os dias isso na pele. Pensei equivocadamente que a Universidade fosse uma "irmandade", mas o que vejo todos os dias são pessoas se "engalfiando", ferindo e sendo feridas, em relacionamentos friamente egoístas. Seria essa a educação fornecida por nosso ensino fundamental e médio, seria essa a sociedade do futuro? Indubitavelmente precisamos rever os nossos conceitos, os nossos valores, para que tenhamos, de fato, uma sociedade melhor e realmente justa, até mesmo nas escolas e universidades.

Nenhum comentário:

Postar um comentário